Descubra como combater a insônia de forma natural

Na pandemia, tem-se aumentado o número de pessoas com problemas de insônia, que é um distúrbio do sono que prejudica e impede que uma pessoa adormeça com facilidade. Ela pode ser causada por diferentes motivos, como estresse, ansiedade, depressão, doenças (cardíacas, pulmonares e neurológicas), alimentação, uso de bebidas alcoólicas, cafeína e outros fatores diversos. Esta semana, o informativo do Maurílio traz algumas estratégias para resolver a insônia de um jeito natural e seguro.

Combatendo a insônia de forma natural:  3 métodos para melhores noites de sono.

“A insônia tem várias causas e, se conseguirmos identificá-las, fica mais fácil tratá-la. Alguns quadros de insônia não têm causas tão comuns como é o caso do hipertireoidismo. Porém, uma vez que se trata a tireoide, a insônia melhora”, diz Rosana Cardoso Alves, neurologista e especialista em Medicina do Sono do Grupo Fleury.

A médica ainda lembra que boa parte dos quadros de insônia tem como desencadeadores componentes psicológicos e comportamentais. A pandemia de COVID-19 é um exemplo. “Todo estresse que estamos passando por questões da pandemia e mudanças de hábitos influencia. Cada pessoa tem a sua suscetibilidade, mas aquela que é mais ansiosa vê as notícias e leva para a cama essas preocupações”, comenta Rosana.

Tratamentos naturais para a insônia

Normalmente, o tratamento de insônia é feito com o uso de alguns medicamentos, como os ansiolíticos e antidepressivos, além da psicoterapia. Porém, alguns métodos naturais podem ajudar no tratamento da insônia. Veja alguns deles nos tópicos a seguir:

Cromoterapia

A cromoterapia usa cores para estabelecer o equilíbrio e a harmonia do corpo, da mente e das emoções. Entre os tons que podem ajudar no alívio da insônia está o azul, cor que atua como um calmante.

Segundo Daniel Alan Costa, naturopata, diretor da Escola Brasileira de Naturopatia e professor de Fitoterapia do curso de pós-graduação da USP, é importante a avaliação de um profissional cromoterapeuta para encontrar qual é a causa da insônia e indicar a cor e a forma de uso mais adequada.

Aromaterapia

A aromaterapia é outra opção natural para tratar a insônia. O método usa aromas de essências e óleos essenciais para o tratamento de doenças. Entre as essências possíveis para a insônia está a de lavanda, que tem ação calmante e já possui uso comprovado para dor de cabeça, agitação, TPM, cólicas menstruais, ansiedade e depressão, segundo Alan Costa.

Outros óleos que ajudam a aliviar o estresse são a mandarina, bergamota, laranja doce, camomila romana, valeriana, manjerona, ylang-ylang, manjericão, Patchouli (Pogostemon cablin), cedro, Mentha arvensis, eucalipto, óleo de gerânio e Salvia sclarea.

O uso dos óleos essenciais deve ter apenas alguns cuidados, por exemplo: eles não podem ser usados diretamente na pele e ingeridos. Dessa forma, a orientação é inalar o produto direto de seus recipientes ou diluí-lo em difusores.

“Por se tratarem de compostos extremamente concentrados (um óleo tem, em média, 300 substâncias e uma gota equivale, em média, a 30 xícaras de chá da planta), não recomendamos, por exemplo, a ingestão de óleos essenciais. Eles também devem ser sempre utilizados diluídos numa concentração de, no máximo, 3%”, diz o especialista.

Outro cuidado importante é saber o histórico da pessoa que irá usar o produto. “Alguns óleos essenciais são ‘hormônio like’, ou seja: ocupam os receptores de determinados hormônios e agem como eles. É o caso da Salvia sclarea, que tem a função do estrógeno (um hormônio feminino e não deve ser utilizado por pacientes com histórico de cânceres)”, completa.

Filoterapia

A fitoterapia é um método que usa plantas em chás, por exemplo, para o tratamento de problemas de saúde. No caso da insônia, os chás recomendados são: erva-cidreira, erva-doce, macela, passiflora, camomila, mulungu e valeriana.

O uso dos chás como tratamento para a insônia deve ter atenção em alguns casos. “A camomila pode interagir com anticoagulantes, portanto não devem ser usados por quem faz uso desta classe de medicamentos. A Valeriana, devido a alguns constituintes químicos, como os alcaloides, deve ser usada com cautela”, pontua o especialista.

Por fim, acesse nosso último Informativo, o tema foi “Vacinas Causam Doenças?“. Acesse nossas redes sociais e outros informativos para saber mais.

Facebook Laboratório Maurílio de Almeida

Instagram @labmauriliodealmeida